O crédito concedido para a aquisição de nova habitação subiu em fevereiro, face ao mês anterior. Os bancos emprestaram às famílias portuguesas, no segundo mês do ano, 999 milhões de euros para a compra de casa. Este foi o valor mais alto desde dezembro de 2020, de acordo com os dados divulgados esta quarta-feira pelo Banco de Portugal.

Comparando com janeiro, mês em que as instituições financeiras concederam 968 milhões de euros para a compra de casaestá em causa um aumento de 31 milhões de euros no que toca ao montante concedido. Porém, em dezembro de 2020 o valor foi ainda mais elevado do que o registado em fevereiro, na altura de 1.203 milhões de euros.

Ainda assim, face a fevereiro do ano passado, regista-se uma subida neste indicador. Se em fevereiro de 2021 as famílias receberam das instituições financeiras 999 milhões de euros para a compra de casa, no período homólogo esse montante foi de 919 milhões. Estamos, assim, perante um aumento de 80 milhões de euros em comparação com fevereiro do ano passado.

Olhando para taxa de juro média aplicada aos novos empréstimos à habitação, os mais recentes dados divulgados pelo Banco de Portugal mostram que esta desceu um ponto base em fevereiro, para os 0,76%. Um novo mínimo histórico é, assim, estabelecido, pelo sétimo mês consecutivo. Em fevereiro de 2020, esta taxa fixava-se nos 1,06%.

Crédito ao consumo sobe em fevereiro

Depois da quebra registada no primeiro mês do ano, o crédito concedido pelos bancos para fins de consumo teve um ligeiro aumento em fevereiro. Neste mês, o montante associado aos novos empréstimos ao consumo foi de 284 milhões de euros, três milhões de euros acima do registado em janeiro (281 milhões de euros). Comparando com o período homólogo (468 milhões de euros), está em causa um forte decréscimo, na ordem dos 184 milhões de euros.

Olhando para os indicadores relativos ao crédito para outras finalidades, no mês passado o montante concedido pelas instituições financeiras foi de 190 milhões de euros. Valor que fica acima do verificado em janeiro deste ano (137 milhões de euros), mas abaixo do registado em fevereiro de 2020 (243 milhões de euros).

À semelhança do que ocorreu com o crédito à habitação, em ambos os casos registou-se um decréscimo nas taxas de juros aplicadas a novas operações. “No crédito ao consumo e para outros fins, as taxas de juro médias foram de 6,43% (6,56% em janeiro) e de 3,20% (3,66% em janeiro), respetivamente”, adianta o comunicado do Banco de Portugal.

Tendo em consideração estas três finalidades (habitação, consumo e outros fins), os bancos emprestaram aos portugueses, em fevereiro, um total de 1.473 milhões de euros. Estamos, assim, perante uma subida relativamente ao mês anterior (1.386 milhões de euros). Mas em comparação com fevereiro de 2020 (1.630 milhões de euros), está em causa um decréscimo ainda maior.

Fonte:
https://www.msn.com/pt-pt/financas/noticias/bancos-deram-999-milh%C3%B5es-para-comprar-casa-em-fevereiro/ar-BB1f9HIq?ocid=msedgntp